A feira

4ª ALTA CAFÉ

Feira de Negócios e Tecnologia da Alta Mogiana

LOCAL: Clube de Campo da Franca (Rod. Cândido Portinari, km 383, zona rural, município de Restinga/SP)
DATA
: 12 a 14 de março de 2024
HORÁRIO: 08 às 17 horas
ENTRADA: gratuita, no credenciamento da feira.
ESTACIONAMENTO: gratuito
OBJETIVO: criar um ambiente diferenciado de negócios voltado principalmente aos cafeicultores da Região da Alta Mogiana, mostrando a importância econômica do Agronegócio Café da lavoura à xícara, abrangendo desde as propriedades rurais, até à indústria, comércio, serviços e turismo de negócios.

A feira

A ALTA CAFÉ – O Evento da Cafeicultura, foi criada para ser um ambiente diferenciado de negócios voltados especificamente para a cafeicultura da Região da Alta Mogiana e Brasileira. A proposta é reunir, em um único espaço, tudo que o cafeicultor necessita para a sua lavoura de modo que este obtenha o máximo de vantagens em sua atividade e alcance maior produtividade na lavoura, bem como agregar valor ao seu produto final, com tecnologias de pré e pós-colheita do café e processamento do produto ao consumidor final.

A primeira edição da Feira foi realizada no espaço Vila Ventura, em Franca (SP). Porém, a área ficou pequena e a diretoria da AEAGRO decidiu buscar uma área maior e que pudesse abrigar maior número de expositores e visitantes, sendo escolhido o Clube de Campo da Franca, município de Restinga [SP].

A proposta é reunir empresas do setor, contribuindo para que os cafeicultores brasileiros encontrem, em um único espaço:

  • Tratores, Colheitadeiras e Motocultivadores;
  • Máquinas para Construção Civil;
  • Adubadeiras, Roçadeiras, Trituradoras, Podadoras e Arruadoras;
  • Carretas, Distribuidores, Guinchos e Pás-Carregadeiras;
  • Pulverizadores, Aplicadores, Sistemas de Irrigação, Motores e Bombas;
  • Recolhedoras, Abanadoras, Sopradoras, Torradores e Classificadores;
  • Descascadores, Despolpadores, Lavadores, Secadores;
  • Tecnologias para Agricultura de Precisão (drones, aplicativos, startups e georreferenciamento];
  • Laboratórios de Análises [água, substratos, solos, folhas, fertilizantes, nematoides];
  • Insumos: fertilizantes, controle de pragas, controle de doenças (Agroquímicos e Agrobiológicos]:
  • Tecnologia em Energia Solar;
  • Instituições Financeiras e Prefeituras Municipais;
  • Instituições de ensino como Universidades, Faculdades e Cursos Técnicos;
  • Veículos Automotores;
  • Marcas próprias de café para o consumidor final.

PRINCIPAIS ORGANIZADORES

ORGANIZADORES

A AEAGRO – Associação dos Empreendedores do Agronegócio de Franca e Região é uma instituição sem fins lucrativos, criada em 2019 com o objetivo de promover eventos do Agronegócio, criando um ambiente diferenciado de negócios voltado principalmente aos cafeicultores da Região da Alta Mogiana. Também é compromisso da AEAGRO mostrar a importância econômica do Agronegócio Café da lavoura à xícara, envolvendo as propriedades rurais, a indústria, o comércio e serviços e também o turismo.

 

 A AEAGRO reúne as sete concessionárias de tratores e colhedoras de café sediadas na cidade de Franca (SP):

  • A.Alves Indústria e Comércio – New Holland (Av. Wilson Sábio de Mello, 1270, São Joaquim);
  • Agro PL Comércio de Máquinas Agrícolas – Landini Tratores (Av. Wilson Sábio de Mello, 1880, São Joaquim);
  • Oimasa – Orlândia Implementos e Máquinas Agrícolas – Massey Ferguson (Av. Wilson Sábio de Mello, 1430, São Joaquim);
  • Olimáquinas – LS Tractor (Av. Wilson Sábio de Melo, 2120, Distrito Industrial Antônio Della Torre);
  • Robusta Tratores – Yanmar-Solis (Av. Wilson Sábio de Mello, 2160, Distrito Industrial Antônio Della Torre);
  • Sami Máquinas e Implementos Agrícolas – Agritech-Lavrale (Av. Wilson Sábio de Mello, 2141, Distrito Industrial Antônio Della Torre); e
  • Tracan Máquinas e Sistemas para Agricultura – Case IH (Rua Geraldo Garcia do Nascimento, 2631, Distrito Industrial Antônio Della Torre);
  • além do Sindicato Rural de Franca (Av. Wilson Sábio de Mello, 1490 – São Joaquim, Franca/SP).

A região da alta mogiana

É de longa data que se encontra registro sobre o plantio de café na região. O café está associado à Região da Alta Mogiana há mais de 100

anos. Já no ano de 1833, o Código de Postura do Município, aprovado pela Câmara Municipal de Franca, obrigava os agricultores a plantar e manter 25 pés de café por cada braça de terreno, sob multa de $2.000 (réis), ou um dia de detenção.

No entanto, foi com a chegada da ferrovia, e a inauguração da Estação de Franca, na década de 1890, que a cafeicultura se consolida como

principal atividade econômica. A presença de imigrantes, nesta mesma época, era cada vez mais constante. O aumento da população de imigrantes, principalmente italianos, era acompanhado por uma explosão da produção de café. A cultura cafeeira era privilégio dos maiores proprietários da terra. A parceria entre os proprietários e os imigrantes mostrou-se rentável a ambos. Desde então, a região sempre foi um polo qualitativo de café.

A região da Alta Mogiana está localizada ao Norte do Estado de São Paulo e no Sudoeste de Minas Gerais. Estão inseridos nesta região os municípios de: Altinópolis (SP), Batatais (SP), Buritizal (SP), Cajuru (SP), Cristais Paulista (SP), Franca (SP), Itirapuã (SP), Jeriquara (SP), Nuporanga (SP), Patrocínio Paulista (SP), Pedregulho (SP), Restinga (SP), Ribeirão Corrente (SP), Santo Antônio da Alegria (SP), São José da Bela Vista (SP), Cássia (MG), Capetinga (MG), Claraval (MG), Ibiraci (MG), Itamogi (MG), Sacramento (MG), São Tomás de Aquino (MG) e São Sebastião do Paraíso (MG).

A Região da Alta Mogiana está situada em um planalto, com serras suaves, com altitudes de 900 a 1200 metros. É uma região tradicional no plantio de café, apresentando temperaturas médias de 21ºC no verão e 17ºC no inverno, com precipitação anual média de 1.623mm, sendo caracterizada como estação chuvosa o período de outubro a abril. As características climáticas descritas são propícias para o amadurecimento lento e uniforme do grão. A colheita seletiva é feita no pico do amadurecimento do grão, de forma a obter um número maior do grão do café. A secagem ao Sol em camadas finas, controlada por mão de obra qualificada, é uma tradição da região, contando também com modernos processos de secagem mecanizada, com controle permanente de temperatura e manutenção da qualidade do café.

Importância econômica da região

Vários municípios da Região da Alta Mogiana têm na cafeicultura a sua principal atividade agrícola, em termos de potencial de produção e também na exportação. De acordo com levantamentos oficiais da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, a Alta Mogiana responde atualmente por 50% do café produzido no Estado de São Paulo, chegando à produção de 1,5 milhão de sacas de café em anos de safra alta.

Desde 2013, o INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial concedeu à Região da Alta Mogiana o registro de Indicação de Procedência, que é uma modalidade de Indicação Geográfica (IG), pelo reconhecimento pela alta qualidade dos seus grãos de café produzidos nesta região. É a atividade que gera não somente renda ao cafeicultor, às empresas e aos municípios. Mas também, é a atividade responsável pela geração de muitos empregos, direta ou indiretamente, seja nas propriedades rurais, nos setores de transporte e armazenagem, nas cooperativas e departamentos de assistência técnica. Em muitos municípios da Alta Mogiana, o café é o principal responsável pela movimentação econômica dos setores de comércio e serviços, seja em supermercados, lojas de vestuário, concessionárias de veículos e, em especial, as revendas agropecuárias, escritórios de contabilidade, estabelecimentos bancários e concessionárias de máquinas e implementos agrícolas.

É com base na importância econômica da cafeicultura para a Região da Alta Mogiana que o Sindicato Rural de Franca (SP) e a AEAGRO – Associação dos Empreendedores do Agronegócio de Franca e Região convidam para a 4ª ALTA CAFÉ – FEIRA DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA DA ALTA MOGIANA.